RMS - Rede de Mobilização Social

 

 

26/03/2013

Política Distrital de Aleitamento Materno e Banco de Leite Humano

Por Luciana Ribeiro

Para conhecer as metas de Aleitamento Materno da Secretaria de Saúde do Distrito Federal Ministério da Saúde (SESDF), convidei Miriam Santos, Coordenadora de Aleitamento Materno e Banco de Leite

 

Humano da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, para prestar informações referentes à coleta de leite humano no Distrito Federal (DF).


Sabe-se que doar leite materno é um ato de amor à vida humana, por isso o site ecopedagogia selecionou o assunto para mobilizar campanhas educativas que apoiam essa missão no DF e no Brasil.


Desde já, agradeço sua disposição, atenção e colaboração com a questão que mobiliza ações educativas que beneficiam e humanizam as maternidades brasileiras.


Luciana Ribeiro- O DF é uma referência na coleta de leite humano. A Secretaria de Saúde do Distrito Federal juntamente com os profissionais da área de saúde (médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem) desenvolvem campanhas educativas para coletá-lo em toda a cidade?


Míriam Santos - Sim, juntamente com o Corpo de Bombeiro Militar do Distrito Federal (CBMDF), a Secretaria de Estado de Saúde do DF (SESDF) desenvolvem campanhas educativas para coletá-lo em toda a cidade. É uma parceria que, inclusive, proporciona a realização da coleta domiciliar em todo o Distrito Federal e os bombeiros militares fazem parte da equipe de cada Banco de Leite Humano (BLH). 
A iniciativa de BLH existe no Brasil há 70 anos e o primeiro no Brasil foi fundado no Instituto Fernandes/FIOCRUZ/MS, no Rio de Janeiro. No Distrito Federal, o primeiro BLH é o do Hospital Regional de Taguatinga, inaugurado em 1978. Brasília passou a ser destaque como município na coleta de leite materno pela possibilidade de oferecer leite materno pasteurizado para todos os bebês internados nas unidades neonatais.


Luciana Ribeiro- O DF é o único estado em que todas as maternidades públicas têm um banco de leite. Existe uma estrutura para facilitar a comunicação com as mães brasilienses que podem ajudar com a doação de leite materno. Falta leite no estoque para preservar a vida dos bebês?Como você avalia a questão no Brasil?


Míriam Santos - Sim, o DF é a entidade da Federação onde todas as maternidades públicas tem Banco de Leite ou posto de coleta de leite materno, inclusive nas maternidades dos hospitais federais. 
A principal atividade desenvolvida é o apoio à amamentação.

Apesar dos esforços, ainda, existe uma captação baixa de volume para que possamos ter tranqüilidade no estoque de Leite Materno Pasteurizado. Mesmo assim, conseguimos atender a quase todos os bebês internados nas Unidades Neonatais Públicas do DF.
No Brasil o cenário precisa melhorar. Em muitas unidades da federação este volume de leite humano coletado é muito aquém do necessário. 
No Distrito Federal a mulher pode procurar diretamente os BLH ou pode entrar em contato com a Central de Doação de Leite Materno pelo nº 160 Opção 4.

Luciana Ribeiro- Fale dos benefícios da amamentação para a mamãe e para o bebê.


Míriam Santos - Vantagens do Aleitamento Materno para a mulher


• Menor risco de hemorragias e anemia pós-parto.
• Retorno ao peso pré-gestacional mais fácil
• Menor risco de câncer de mama e de ovário
• Fortalecimento do vínculo mãe-filho
• Praticidade, investimento na qualidade de vida
Vantagens do Aleitamento Materno para a Criança
• Proporciona uma nutrição superior e um ótimo crescimento 
• Fornece água adequada para hidratação 
• Favorece o vínculo afetivo e o desenvolvimento 
• Protege contra infecções e alergias
• Menor risco de doenças crônicas na idade adulta, tais como, hipertensão arterial, aumento do colesterol total, de sobrepeso/obesidade e diabetes tipo dois.


Luciana Ribeiro- Você acha que os leites industrializados e outros complementos artificiais (papinhas de frutas e verduras vendidas nos supermercados) podem atrapalhar o desenvolvimento saudável das crianças? Existe alguma ação educativa para reeducar as famílias brasileiras?


Míriam Santos - O Aleitamento Materno é recomendado pela OMS (Organização Mundial de Saúde), MS e SESDF até os dois anos ou mais e deve ser exclusivo nos seis primeiros meses. 
A criança a partir dos seis meses deve continuar mamando e, a partir daí, deve se iniciar a alimentação complementar com comida de sal e frutas. Para melhor orientação das mães seguimos os “Dez Passos da Alimentação Saudável para os Menores de 2 anos” do Ministério da Saúde.


Dez Passos para uma Alimentação Saudável para Crianças Brasileiras Menores de 2 anos


Passo 1 - Dar somente leite materno até os 6 meses, sem oferecer água, chás ou 
qualquer outro alimento. 
Passo 2 - Ao completar 6 meses, introduzir de forma lenta e gradual outros alimentos, 
mantendo o leite materno até os dois anos de idade ou mais. 
Passo 3 - Ao completar 6 meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, 
carnes, leguminosas, frutas e legumes) três vezes ao dia, se a criança estiver em 
aleitamento materno. 
Passo 4 - A alimentação complementar deve ser oferecida de acordo com os horários 
de refeição da família, em intervalos regulares e de forma a respeitar o apetite da 
criança. 
Passo 5 - A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida 
de colher; iniciar com a consistência pastosa (papas/purês) e, gradativamente, 
aumentar a consistência até chegar à alimentação da família. 
Passo 6 - Oferecer à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é 
uma alimentação colorida. 
Passo 7 - Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições. 
Passo 8 - Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e 
outras guloseimas, nos primeiros anos de vida. Usar sal com moderação. 
Passo 9 - Cuidar da higiene no preparo e manuseio dos alimentos; garantir o seu 
armazenamento e conservação adequados. 
Passo 10 - Estimular a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo 
sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, respeitando a sua aceitação.


A SESDF, em parceria com o MS, adota a Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil como uma estratégia para melhorar a qualidade da assistência dos profissionais de saúde nos aspectos relacionados a amamentação e alimentação complementar na primeira infância.


Luciana Ribeiro- A Secretaria de Saúde como órgão responsável pela saúde pública de Brasília procura trabalhar em parceria com outras instituições para ajudar na disseminação das campanhas de aleitamento materno? Quais são elas?


Míriam Santos - A SESDF tem várias parcerias, sendo algumas governamentais e outras com a Sociedade Civil. O CBMDF a mais de 20 anos atua em prol do Aleitamento Materno e da Coleta de Leite Materno. Temos um grande apoio da Secretaria de Gestão (SEPLAG) que fornece os carros para a coleta domiciliar de leite materno. Temos apoio também da CODEPLAN que é a gestora do Disque Doação de Leite Materno: 160 Opção 4. Na sociedade civil, o Aleitamento Materno tem apoio de clubes de serviços, o Rotary Clube e Casa da Amizade são parceiros desta iniciativa deste inicio e o Lions Clube há mais de uma década apóia esta idéia no DF. Temos lembrar que os meios de comunicação que em têm um papel importante nesta ação.


Luciana Ribeiro- Existe alguma cartilha educativa para ensinar mamães brasilienses a doarem o leite materno de forma correta? De que forma e onde ela é distribuída?


Míriam Santos - Sim. Existe um material da Secretaria de Saúde o qual é distribuído na rede atenção básica do DF (centros de saúde e equipes de saúde da família) para as gestantes e nas maternidades públicas. O material do Ministério da Saúde é distribuído tanto na Rede Pública como na Rede Privada do DF.


Luciana Ribeiro- As universidades e as faculdades de Brasília desenvolvem alguma campanha educativa inerente à doação de leite materno em Brasília? Como esse trabalho acontece?


Míriam Santos - Nos cursos das áreas de saúde temos sempre a divulgação dessa temática. No último ano, tivemos a participação e o interesse de algumas Faculdades de Comunicação e Marketing que propiciaram novas idéias. Todavia, desejamos que mais áreas se interessem pelo tema “Amamentação” e “Doação de Leite Materno”.


Luciana Ribeiro- Luciana Ribeiro- Existe alguma reunião específica para debater a questão do aleitamento materno no Brasil?


Míriam Santos - A Área Técnica da Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde tem um comitê nacional de Aleitamento Materno que discute todas as ações em relação ao tema no Brasil, com a participação de órgãos governamentais, instituições cientificas, representação de classes e da sociedade civil.


Luciana Ribeiro- Quais são os contatos (endereços e telefones) que podem ser acessados pelas mães de Brasília para fazerem suas doações de leite materno? Existe algum contato de telefone geral para mães de todo o Brasil? O corpo de bombeiros coopera de alguma forma para ajudar a divulgar as campanhas de doação de leite materno?


Míriam Santos - No site da SESDF as mulheres brasilienses poderão obter o número de telefone dos Bancos de Leite e Posto de Coleta publica do DF, assim como a técnica correta para coleta e armazenamento do Leite Materno ordenhado, pelo link:


http://www.saude.df.gov.br/programas/489-banco-de-leite.html.


O Disque Doação de Leite Materno no DF é o nº 160 (opção 4). 
Para saber onde doar leite materno no Brasil, as mulheres podem acessar o site da Rede BLH-Br no endereço www.redeblh.fiocruz.br. Lá estão disponíveis o telefone e endereço de todos estes locais. 
O Corpo de Bombeiro Militar do Distrito Federal é pioneiro e um grande parceiro nas ações de aleitamento materno e sempre participam na divulgação das nossas ações.


Luciana Ribeiro- Como você avalia os projetos e campanhas de aleitamento materno que são desenvolvidas em Brasília? Quais são as expectativas futuras para o DF?


Míriam Santos - O apoio governamental para Ação Aleitamento Materno e Doação de Leite Materno é histórica em Brasília. Temos o apoio nos 3 poderes, com leis próprias, ações governamentais com o poder judiciário apoiando a mulher que amamenta. Isso é um diferencial positivo do DF. Na atual gestão, há o empenho para que todos os BLH tenham as áreas físicas adequadas para as atividades e no ano passado foi renovado todo o parque tecnológico.


As expectativas são muito boas, com melhoria da comunicação com a população, com o fortalecimento da legislação para amamentação e para a doação de leite materno e a conscientização da sociedade sobre a importância da Amamentação como um elemento estruturante para criação de uma comunidade mais saudável e quanto mais mulheres tivermos amamentando maior será a doação de leite materno. 

Entrevista cedida para o site ecopedagogia: www.ecopedagogia.bio.br /Responsável:Luciana Ribeiro

Exibições: 141

Comentar

Você precisa ser um membro de RMS - Rede de Mobilização Social para adicionar comentários!

Entrar em RMS - Rede de Mobilização Social

Membros

Parceiros

© 2020   Criado por Rede de Mobilização Social.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço